V ENCULT e VI SEMP

NOTÍCIAS E AVISOS

Conheça os Eixos Temáticos do V Encontro Nacional de Cultura e Tradução

Primeira Circular

O Encontro Nacional Cultura e Tradução – ENCULT é um evento científico organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e pela Coordenação do Bacharelado em Tradução da UFPB. Seu objetivo é promover um espaço de diálogo e intercâmbio de pesquisas da área dos Estudos da Tradução por meio da apresentação de trabalhos de pesquisadores, profissionais e estudantes da área.

Nesta edição discutiremos as retraduções e suas políticas, (des)construções e dilemas.  Na coletânea enciclopédica A History of Modern Translation Knowledge (2018), organizada por Yves Gambier e Lieven D’Hulst, destaca-se a complexidade interdisciplinar e transcultural do fenômeno de retradução, entre outros, no contexto de “transfer modes”, nas relações entre textos e paratextos e na história de conhecimento de religiões monoteísticas com tradução escrita. No Brasil, o fenômeno da retradução vem sendo discutido com ênfase no desenvolvimento do percurso teórico pelo qual passou a noção de retradução desde a publicação dos textos teóricos fundadores (Berman, 1990; Gambier, 1994).  Cabem, no entanto,  possibilidades de ampliação do debate, dando ênfase à discussão interdisciplinar de ligações entre (re-)traduções, o discurso científico e comercial de políticas de (re-)tradução e tradutologia, e destacando o papel da (des)construção e do dilema nesses contextos de retradução(ões).

Para fomentar esta discussão, o V ENCULT está organizado em seis eixos temáticos e associado ao VI Seminário de Estudos Medievais, cujo tema é “Tradução e Decolonialidade: Christine de Pizan no Brasil”. Os dois eventos acontecerão de 03 a 05 de novembro de 2021 e incluem palestras, mesas redondas, oficinas e comunicações.

Eixos Temáticos

  1. Formação de Tradutores

Coordenação: Camila Nathália de Oliveira Braga e Tânia Liparini Campos (UFPB)

Descrição: O eixo temático sobre formação de tradutores e tradutoras tem como objetivo estimular o debate e as reflexões sobre o ensino e aprendizagem da tradução em cursos de graduação e pós-graduação em universidades brasileiras. Serão aceitos trabalhos que contemplem didática de formação de tradutores/as e produtores/as de textos multilíngues (revisores/as, pós-editores/as), incluindo desenho curricular; direcionalidade da tradução; elaboração de materiais didáticos; enfoque por tarefas de tradução; ensino de tradução especializada e de diferentes tipos textuais; avaliação no contexto de formação; ensino de língua estrangeira para tradutores/as; e desenvolvimento da competência tradutória.

  • Tradução e Análise textual

Coordenação: Daniel Antonio de Sousa Alves (UFPB); Sinara de Oliveira Branco (UFCG)

Descrição: O Eixo Temático Tradução e Análise Textual se propõe a acolher pesquisas que discutem a tradução a partir de abordagens que comparam textos em relação tradutória. Para este eixo temático, entendem-se as traduções como realizações textuais distintas e possíveis e não são estimulados julgamentos de valor no que diz respeito à qualidade da tradução. Mais do que apontar diferenças, pretende-se aqui discutir a linguagem como comunicação dentro de uma prática social. A partir da totalidade de recursos que a língua oferece para produção de significados, busca-se, nas escolhas linguísticas do autor e do tradutor, fomento para o debate sobre as relações de organização textual, de representação e de avaliatividade em quaisquer pares linguísticos.

  • Tradução e Literaturas não-canônicas

Coordenação: Helano Jader Cavalcante Ribeiro (UFPB)

Descrição: Entendendo a tradução como uma atividade intercultural e de mediação, o presente eixo temático terá o enfoque nas questões que envolvem hegemonia, exclusão e relações de poder na escolha dos textos a serem traduzidos, na construção da imagem de determinadas obras literárias, de escritores/as, de culturas. A partir de reflexões oriundas dos estudos da tradução, das teorias pós-coloniais, dos estudos culturais, estudos étnicos, estudos de gênero, nos indagaremos sobre o papel da (re)tradução no processo de universalização/canonização de obras literárias e teóricas, assim como os critérios de exclusão/inclusão nele envolvidos.

  • Da Idade Média à Contemporaneidade: (re-)traduções, transferências culturais e circulações

Coordenação: Ana Cristina Bezerril Cardoso (UFPB;Marta Pragana Dantas (UFPB) e Wiebke Röben de Alencar Xavier (UFRN)

Descrição: Para refletir e reler momentos das histórias das literaturas num contexto transnacional e globalizado de tradução e cultura, serão discutidos, neste eixo temático, os conceitos interdisciplinares de “re-tradução”, “transferência cultural” e “circulação” desde a literatura medieval até a literatura contemporânea. Serão aceitas contribuições sobre estudos de caso envolvendo os caminhos de textos e de livros (re-) traduzidos; de mediadores e de mediação de (re-) traduções;  do processo de (re-) traduzir em determinados momentos históricos, para citar alguns exemplos. Serão igualmente bem-aceitas contribuições sobre os conceitos metodológicos acima referidos e suas articulações com outros métodos advindos, por exemplo, dos Estudos da Tradução, da Análise do Discurso, da Sociologia, da Antropologia, da Etnologia ou da História da Arte, envolvendo por vezes questões políticas, dilemas ou (de-) construções. Essas amplas abordagens revelam não somente a função das (re-) traduções como também a visualização e problematização dos complexos entrelaçamentos e hibridações de entidades (nacional-)culturais nas histórias da(s) literatura(s) e cultura(s).

  • Tradução intersemiótica

Coordenação: Cícera Antoniele Cajazeiras da Silva — UFERSA; Genilda Azeredo (UFPB) e Luiz Antonio Mousinho Magalhães (UFPB)

Descrição: A tradução intersemiótica, também denominada tradução interartes, consiste na transposição de um sistema de signos para outro. Trata-se de um movimento e processo que paradoxalmente faz equivaler significados através de um sistema sígnico diferente. Ou seja, a tradução intersemiótica reconhece a especificidade das várias linguagens semióticas (pintura, literatura, teatro, fotografia, cinema, televisão) e ao mesmo tempo acolhe o intercâmbio entre as mesmas em um processo de transcodificação criativa. A definição que Linda Hutcheon propõe de adaptação também se alinha com esta perspectiva: ato de apropriação de sentidos através de um processo de recriação interpretativa. No cerne do processo de tradução intersemiótica ou adaptação reside a possibilidade de investigação de diversas questões, dentre as quais, o presente eixo temático propõe abordar: tradução/adaptação como intersemiose e intertextualidade; potencialidades de reinterpretação; diálogo entre textos, autores e diferentes contextos históricos; reverberação, subversão e criação de significados; tradução/adaptação e seu papel na educação; tradução/adaptação e cânone; tradução/adaptação e diferentes públicos: comercialização e recepção/consumo.

  • História e Historiografia da Tradução: retraduções, ruptura e cânone

Coordenação: Roberto Carlos de Assis (UFPB) e Germana Henriques Pereira (UnB)

Descrição:  O interesse pela história e historiografia da Tradução há muito deixou de ser novidade para pesquisadores/as brasileiros/as. Basta mencionar que o Seminário de História da Tradução e da Tradução Literária da UnB vem sendo realizado desde 2012 e já caminha para sua nona edição. Há, no entanto, espaço para discussão, especialmente no que se refere à retradução, que é uma questão premente no Brasil – um país que retraduz com sistematicidade e empenho crítico-teórico. Assim, este Eixo Temático pretende refletir sobre i) o contexto sócio histórico de retraduções; ii) o papel de retraduções na ruptura e manutenção do cânone; iii) abordagens e métodos para estudos sobre história(s) da (re)tradução; e iv) mapeamentos dos agentes da (re)tradução no contexto brasileiro. Trabalhos a serem apresentados podem incluir os tópicos citados, mas não se limitam a eles.

2 respostas

Deixe um comentário para Malta Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.